quarta-feira, 26 de julho de 2017

Aspectos Gerais do Seguro de Automóvel

1. Objetivo do Seguro
            O seguro de automóveis tem como objetivo garantir os veículos terrestres de propulsão a motor e seus reboques destinados ao transporte de pessoas, animais ou coisas, mencionados na apólice, contra prejuízos e despesas decorrentes dos riscos cobertos dentro do território brasileiro ou fora dele, até o valor da importância segurada.

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Exercícios de Oligopólio - Microeconomia

                                               Exercícios de Oligopólio – 2012/02
  1. P = 200 – 0,5 Q é a função de demanda de mercado para um produto e inicialmente existe apenas uma firma atuando e tem custos nulos (Cournot):
a)      Qual a sua produção e preço de máximo lucro?
b)      Entrando outra empresa no mercado, qual sua produção? Qual o novo lucro de I ?
c)      Qual a solução final deste modelo?
d)     Segundo Chamberlin, qual o resultado final?
Respostas:
a) Q = 200 P = 100   π1 = 20000
b) Q = 100   P = 50  π2 =  5000
c) Q1 =   Q2 = 133,33  P = 66,67  π1= π2 =  8.889,11
d) Q1 =   Q2 = 100  P = 100  π1= π2 =  10.000


2. Segundo Chamberlin e Cournot, qual a solução final de um duopólio se Q = 350 – 5 P e CT = 0
Respostas:
Chamberlin: Q1 =   Q2 = 85,5  P = 35
π1= π2 =  3.062,5
Cournot: Q1 =   Q2 = 116,67  P = 23,33
 π1= π2 =  2.721;91



3.Duas firmas ( I e II ) dividem o mercado e enfrentam cada uma a função de demanda Q = 220 – 5 P. Sabendo-se que a capacidade de cada firma está esgotada em 180 un e seus custos são nulos (Edgeworth):
a)      Os preços máximo e mínimo cobrado pelas firmas nos seus  mercados?
b)      Se I baixar o preço em $ 2, ao máximo praticado por I, quanto estará captando do mercado de II? Qual seu lucro e o novo lucro de II ?
c)      Se II reagir e baixar o preço em $ 3, quanto do mercado de I estará tomando? Qual seu lucro e o novo lucro de I ?
d)     Se I baixar o preço para $ 10 quanto do mercado de II estará tomando? Qual seu lucro e o novo lucro de II ?
Respostas:
a)       Máximo P = 22   Mínimo P= 8
b)       P = 20  Q1 =  180  capta 60 un de II.  π1= 3600 e   π2` =  1100
c)       P = 17   Q2 = 180 capta 45 un de I . π2 = 3060 e   π1` = 1500

d)       P= 10   Q2 = 180 capta 10 un de I . π1 = 1800 e   π2` = 2125                                                                                                                                                                 

Administração Financeira - Questões resolvidas

1- Como consideramos o imposto de renda no cálculo do custo de uma dívida?
Os juros pagos são dedutíveis para fins de imposto de renda. Os pagamentos aos acionistas, tais como dividendos, não o são, isso significa que o governo cobre uma parte dos juros. Portanto ao calcular a taxa de desconto após os impostos, precisamos distinguir entre custo de capital de terceiros antes e depois do IR. O custo da dívida deve refletir o risco de inadimplência da empresa: quanto mais alto o risco de inadimplência, maior o custo de dívida. O custo de dívida também reflete a vantagem fiscal associada à dívida, visto que os juros são dedutíveis do IR e os fluxos de caixa para as ações não.

2- O que é alavancagem operacional? Alavancagem financeira? E alavancagem conjunta?
A alavancagem operacional é resultado da existência de custos fixos operacionais no que se refere ao fluxo de lucros das empresas, ou seja, utiliza tais custos para aumentar  os efeitos de mudança das vendas sobre o lucro da empresa antes dos juros e do importo de renda. Decorre da existência de custos e despesas operacionais fixas que permanecem inalterados dentro de certos intervalos de flutuação de produção e vendas. Ocorrendo expansão no volume de operações haverá menor carga desses custos sobre cada unidade vendida provocando um acréscimo em maiores proporções no LAJIR. Em outras palavras, diminui o custo por unidade produzida
A alavancagem financeira, nada mais é do que o custo de se produzir um bem, antes que incidam sobre eles os impostos e as obrigações acessórias decorrentes do regime de competência que e o que norteia esse tipo de alavancagem, tendo em vista que a alavancagem financeira pode ser definida como a capacidade de a empresa usar encargos financeiros fixos para maximizar os efeitos do acréscimo da LAJI sobre o lucro liquido. Quanto maior o passivo a longo prazo, maior a alavancagem financeira.
A alavancagem conjunta nada mais é do que a combinação das duas anteriores. Uma vez que os juros sobre a dívida de longo prazo são considerados um custo fixo, a alavancagem financeira tende a aumentar quando a alavancagem operacional diminui. Em geral, uma alta alavancagem operacional deveria acompanhar uma alavancagem financeira baixa e vice-versa.


3- Por que é importante pagar dividendos do ponto de vista do investidor e porque seria bom não pagar do ponto de vista do gestor? Como harmonizar estes pontos de vista conflitantes?

Do ponto de vista do investidor o pagamento de dividendos é o retorno e é incorporado à sua renda. Para a empresa pagar dividendos serve para aumentar o valor das ações, e arrecadar mais dinheiro no mercado, contudo tira a capacidade de investimento da empresa em novos projetos. Para atingir o equilíbrio decisão da empresa deve ser embasada no que mais é rentável, aumento das ações, se não há novos empreendimentos previstos, por exemplo, se o momento não é bom, economicamente, para expansão ou lucro com um novo empreendimento.

domingo, 23 de julho de 2017

Respostas dos exercícios de Macroeconomia





Lista de Exercício Macroeconomia



Lista de Exercícios Macro I

  1. No mercado de trabalho, quais são as equações de formação dos salários nominais e do nível de preços?
  2. Usando essas duas equações, explique o que ocorre quando a taxa de desemprego aumenta.
  3. Qual é a equação da Oferta Agregada? Como o nível de preços esperado, o markup, e a taxa de desemprego afetam o nível de preços da economia?
  4. E quando substituímos, nesta mesma equação, a taxa de desemprego (u) por (1 – Y/L), como o produto (Y) afeta o nível de preços? Descreva essa relação.
  5. Desenhe a curva da Oferta Agregada. Quais são os eixos do gráfico? Ela é ascendente ou descendente? E por quê?
  6. O que é produto natural e taxa de desemprego natural?
  7. A curva da Oferta Agregada passará, sempre, pelo ponto em que Y = Yn e P = Pe. Explique porque P = Pe quando Y = Yn. Dica: use os pontos fora dessa igualdade para explicá-la.
  8. Um aumento em Pe desloca a curva da Oferta Agregada para cima ou para baixo? Desenhe.
  9. A Demanda Agregada é formada pela condição de equilíbrio dos mercados de bens e financeiro. Relembre as equações da IS e da LM.
  10. Qual é a “equação” da Demanda Agregada? Descreva as relações entre as variáveis envolvidas.
  11. Desenhe a curva da Demanda Agregada. Quais são os eixos do gráfico? Ela é ascendente ou descendente? E por quê?
  12. Complete a frase: Quando o que muda é o preço, o deslocamento é...
  13. Complete a frase: Quando o governo faz política fiscal ou monetária, o deslocamento é...
  14. No curto prazo, é possível ter um produto de equilíbrio diferente do produto natural? E no médio prazo? Explique o porquê.
  15. O que ocorre no curto e no médio (ou longo) prazo quando há uma expansão monetária na economia? Demonstre graficamente e explique com palavras. Por que dizemos que, no médio prazo, a moeda é neutra?
  16. O que ocorre no curto e no médio (ou longo) prazo quando há uma redução do déficit orçamentário? Demonstre graficamente e explique com palavras.
  17. No caso da redução do déficit orçamentário, a composição do PIB muda após a queda em G. O que ocorre?
  18. Defina e explique o que vem a ser estagflação.

terça-feira, 15 de abril de 2014

Equações Diferenciais

Sabe-se que uma cultura de bactérias cresce a uma taxa proporcional à quantidade presente. Após uma hora, observam-se 1000 núcleos de bactérias na cultura, e após 4 horas, 3000 núcleos.
Determine:
a) uma expressão para o nº de núcleos presentes na cultura no tempo arbitrário t; e
b) o número de núcleos inicialmente existentes.

Resolução:
1º passo
N(t) = cekt

1000 = cek.1


c = 1000/ek

2º passo

N(1) = 1000
N(4) = 3000

3000 = 1000/ek * e4k

3000 = 1000 * e3k

e3k = 3

passa o ln:

ln e3k  = ln 3

3k = 1,099

k = 0,366

3º passo:

c = 1000/e0,366

c = 694

Resposta a) N(t)=694e0,366t

N(0)  = 694e0,366*0

Resposta b) N(0)=694

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Continuando post anterior - respostas

1. mutualismo.
2. a Constituição, os Códigos Civil e Comercial, o Decreto-Lei nº73/66 e o Codecon.
3. bilateral, oneroso, aleatório, consensual e de boa-fé.
4. o Segurado.
5. SUSEP.
6. importância segurado.
7. a seguradora fica sub-rogada nos termos da lei, a seguradora tem direitos de regresso (art. 786 e CCB e Súmula 188 STF).
8. é a taxa comercial que compensa as despesas da seguradora somada ao prêmio.
9. tem de ser pessoas jurídicas na forma de Sociedade Anônimas ou Cooperativas.
10. pagar o prêmio convencionado no prazo estipulado, responder pelos juros moratórios se atrasar o pagamento, não agravar o risco assumido pela seguradora.

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Iniciando o semestre - Conceitos

1. A base técnica do seguro é:
2. As fontes normativas do seguro são:
3. As características do Seguro são as de um contrato...(5 itens)
4. Quem deve pagar o prêmio é:
5. As Condições Gerais e Particulares do Seguro são reguladas por Circulares da:
6. A indenização no seguro com marca indenitária nunca pode ser superior a:
7. No ressarcimento:
8. O que é carregamento:
9. As seguradoras para atuarem no mercado:
10. São obrigações do segurado:

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Equações Diferenciais - Redução de Ordem

Dado y1, descobrir y2 da seguinte equação:

y”+4y’+4y=0

y1 = e-2x derivar 2 vezes
y’1 = -2e-2x
y”1 = 4e-2x

Substituir na equação os resultados encontrados para verificar se o y dado é verdadeiro.

4e-2x+(4).-2e-2x+4e-2x =0, portanto, verdadeiro!

Agora, para o outro y:

y2(x) = u(x).y1

Deixamos x de lado.

y2 = u. e-2x
y’2 = -2ue-2x + u’e-2x
y”2 = 4ue-2x -4u’e-2x +u”e-2x

Substituindo na equação:

4ue-2x -4u’e-2x +u”e-2x-8ue-2x + 4u’e-2x+4ue-2x = 0

u”e-2x = 0; Agora vem uma parte bem intuitiva:

u”=0
u’=c1
u=c1x + c2

Se c1=1 e c2=0, u(x) = x, veja [u(x)=1x + 0]

Originalmente, y2(x) = u(x).y1, e, u(x) = x, então:

y2(x) = xe-2x

Solução geral:


y(x) = Ae-2x + Bxe-2x